A busca pela felicidade pode ser o contrário do que você pensa

Gostei do artigo:

Psicólogo de Harvard explica como a busca pela felicidade pode ser o contrário do que você pensa

Shawn Achor é um pesquisador da Universidade de Harvard especialista em investigar a conexão entre felicidade e sucesso. Ele acredita que as pessoas podem – e devem – ser felizes. E para isso criou o Goodthink Inc., onde ele divide tudo o que descobriu em mais de 12 anos de pesquisa de uma maneira prática e interativa. O psicólogo acredita que a felicidade não é consequência do que acontece no exterior, e sim da maneira pela qual enxergamos esses acontecimentos.

Ele usa os próprios estudantes de Harvard como exemplo. Apesar da felicidade por  entrar e estudar em uma das maiores instituições educacionais do mundo, pouco depois esse sentimento é totalmente engolido por problemas, dificuldades acadêmicas, reclamações, etc.

Dessa maneira, Shawn afirma que apenas 10% da nossa felicidade depende do mundo externo. Os outros 90% dependem exclusivamente da maneira como você enxerga a realidade. É como se tivéssemos uma lente que condiciona a maneira que o nosso cérebro lida com as coisas. E ele vai além, afirmando que apenas 25% do seu sucesso profissional depende da sua capacidade (QI, habilidades técnicas, etc.) Os outros 75% dependeriam do comportamental, ou seja, do seu nível de otimismo e da sua capacidade de enxergar desafios como aprendizados e não problemas.

Com esses exemplos, a conclusão é que devemos inverter alguns pensamentos que rondam o inconsciente coletivo e pessoal. Coisas como “se eu trabalhar muito, vou conseguir tal coisa e então serei feliz”. Até que você chega lá e descobre que a tal coisa não te trouxe a felicidade esperada.

E aí? Você precisa trabalhar a favor da felicidade, e não contra.

A dica do especialista para começar a programar seu cérebro nesse novo sentido é fazer alguns exercícios durante 21 dias consecutivos.

Coisas como: – Exercitar sua gratidão ao listar três coisas pelas quais você se sente grato todos os dias; – Escrever sobre pelo menos uma experiência bacana que você teve durante o dia; – Meditar e exercitar o corpo e a mente; – Realizar pequenos atos de gentileza.

Depois de 21 dias, seu cérebro seria então capaz de enxergar o mundo de uma maneira mais positiva.

Vale a pena conferir o que ele mesmo diz sobre isso no seu TED Talk (um dos mais acessados do mundo) e tirar suas próprias conclusões: http://inquietaria.99jobs.com/psicologo-de-harvard-explica-como-a-busca-pela-felicidade-pode-ser-o-contrario-do-que-voce-pensa/

fonte: Roberta Fernandes, http://inquietaria.99jobs.com

Roteirinho Básico

Chegou para mim uma espécie de roteiro para condução das coisas da vida:

  • Até que ponto isso é importante?
  • Escute mais e aprenda mais sendo assim.
  • Pensar amadurece o pensamento.
  • Tentar viver um dia de cada vez. Viver já seria um estágio humano maior.
  • Só por hoje eu vou me cuidar.
  • Primeiro as primeiras coisas.
  • Mantenha a calma. O resultado será outro.
  • Mantenha-se simples. A simplicidade é o segredo do melhor.
  • Que comece por mim…
  • Viva e deixe viver. Ninguém é seu.
  • Mantenha a mente aberta e permanentemente sintonizada com teu coração.

No lugar do outro

“A empatia é também um comportamento natural do ser humano. Quando vemos alguém em sofrimento, o nosso cérebro reage, em certa medida, como se nós mesmos estivéssemos a sofrer. Essa resposta não se situa apenas na amígdala, onde são armazenadas as memórias emocionais, mas, também, naquelas áreas do córtex responsáveis por analisar o comportamento dos outros. Acionamos as nossas próprias experiências relacionadas com a dor e o sofrimento e as estendemos ao sofredor da causa. Conseguimos, assim, ser amáveis sendo mais humanos.”

(do Estamos todos completamente fora de nós, de Karen J. Fowler)

Sim, há

Na Décima Nuvem

texto bom


Página 60 de 148« Primeira...102030...5859606162...708090...Última »