Retorno

Resultado de imagem para olhando o nada

“É preciso retornar ao mais íntimo, isolar-se e buscar nele as formas originais das convicções ora externamente assoladas pelos tempos sombrios. Buscar ouvir a voz de dentro com fins claros de calar o barulho de fora e dar azo ao mais profundo dos interiores: o seu. Lá estão alguns dos sonhos ainda por serem realizados, as saudades dos tempos de outrora, os desejos aquietados, as dúvidas mais sinceras, o calor do que não foi e quer ser e a base da estrutura. Voltar para si mesmo é sair da periferia emocional e prestigiar o renovamento das sensações. Dar a si uma oportunidade de reencontro, independentemente do que se procura.”

(Adriana Araf)

Buscar o que foi para ser

Resultado de imagem para leveza

“Há um tempo em que é preciso recosturar, reformar, reavivar as nossas roupas usadas que tanto nos deram alegria quando novas e que hoje, apesar de gastas, continuam quentes, macias e confortáveis porque possuem o formato do nosso corpo. Não devemos esquecer nossos antigos caminhos só porque achamos que nos levam sempre aos mesmos lugares, devemos aproveitá-los para encurtar a distância que nos levam a novos.
É tempo de travessia: temos que ousar em fazê-la para nunca ficarmos a margem de outros”.

Fernando Pessoa

Astenia emocional

Imagem relacionada

“(…) Decretei-me, mesmo sem forças, não satisfazer mais suas loucuras e nem atender aos seus cansativos questionamentos. Isso vai desde colocar saias de flores que tanto me fazem feminina, como não dar horários aos meus sopros de liberdade. Quero viver sem torturar meu pobre espírito que desconhece a paz há muito tempo. Preciso abandonar suas asperezas e experimentar de delicadezas sucessivas e abundantes. Preciso ser acalentada pela nobreza humana que existe em mim. Seu tratamento é escabroso e não condiz com o que minha alma espera. De dia, faço torcida silenciosa para que a noite não venha. Nas noites, ao teu encontro áspero, rogo para que o sol venha e me reponha a energia roubada por momentos torpes.  A astenia impera e é visível a anemia emocional por todos os cantos da minha desgastada pessoa. Meu olhar é seco, minhas mãos se encerram em gestos básicos. Minha intenção nada escondida é me tornar invisível. Padeço em pedaços sem me dar conta de como farei minha indispensável reconstrução. Sinalizo fim, quando o que quero é um começo (…)”

Adriana Araf

Cântico XIII

Resultado de imagem para a vida renovada

Renova-te.
Renasce em ti mesmo.
Multiplica os teus olhos, para verem mais.
Multiplica os teus braços para semeares tudo.
Destrói os olhos que tiverem visto.
Cria outros, para as visões novas.
Destrói os braços que tiverem semeado,
Para se esquecerem de colher.
Sê sempre o mesmo.
Sempre outro. Mas sempre alto.
Sempre longe.
E dentro de tudo.

Cecília Meireles

 

Tardança

Imagem relacionada

“(…) longas manhãs te esperei segurando uma xícara de café quente na vã tentativa de aquecer aquela dolorida tardança. Longas tardes olhei o difuso horizonte esticando meu turvo raio de visão para buscar ver o que meus olhos necessitavam enxergar. Longas noites passei vagueando pela casa, de um cômodo para o outro, até adormecer com a roupa do corpo embrulhada por um intenso cansaço emocional. Tudo por ti. Uma dedicação insana. Manhãs cálidas, tardes chuvosas, noites gélidas. Dias e dias sendo sacrificados por nada. Nenhum movimento. Nenhum aceno. Nenhum elogio ou aroma. Nenhuma carta ou bilhete. Flores murchas, cachorro sem latido e as mesmas vestes esgarçadas compondo meu corpo inanimado. Nenhuma energia. Nenhum retorno. Tudo mudo e sem piedade. Foi-se o trabalho, acabaram-se todas as comidas da despensa. Os vinhos viraram uma soma de garrafas vazias, com bordas marcadas de vermelho, abandonadas no átrio da casa (…)”

Adriana Araf


Página 6 de 147« Primeira...45678...203040...Última »