As cartas

Resultado de imagem para cartomante

(…) Ela ali, pintada de batom carmim e olhar firme, espalhava com muita habilidade algumas carta, que teriam mensagens futuras. Fixara em 15 minutos a consulta. A pergunta dela, de cara, foi a mais abrangente possível “O que você quer saber?”. No fundo, adoramos saber da vida dos outros e pouco sabemos das nossas. Eu, estática, parecia não esperar muito, não acreditar muito. As cartomantes sabem que há temas comuns a todos os consulentes. É o amor mal resolvido, o dinheiro esticado, viagens não feitas, a traição de um pseudo amigo, o negócio lucrativo desejado que está por vir. O lado de lá mantido em segredo, sujeito a muitas suposições. Aberto o pano verde com símbolos bordados à mão, espalhadas cartas desgastadas pelo manuseio, eu, ali, apenas com uma pergunta em polifonia: “A felicidade chega quando?”. Inocente quesito ainda mantido dentro de mim, certamente sem resposta profética. Na verdade, a cena se resumiria a um questionamento básico da vida humana delegado àquela senhora responder o que igualmente desejava saber: “quando seremos felizes? (…)”.

Adriana Araf

Mesma Foz

Imagem relacionada

“Nasci assim de improviso, sem querer.

Vim por acaso. Fui parto obrigado, sem desejo de viver.

Mas, por tristeza, eu vivi. Porque tristeza é coisa que pega e não larga. E cresci, como crescem, depois da chuva, as ramas. Sem cuidados, sem poda, fui alcançando pasto, riacho e monte. Porém, não fui além da porteira do meu horizonte. Não que eu não tivesse desejo, entretanto me contento com  o que vejo, nessa miudeza de minha cerca de arame, pois a vida me fez raiz desse chão.

E se marcho é para entalhar calos nas mãos, com o cabo da enxada e pra deixar a cara marcada, por desgostos e pelo sol. Mas não reclamo do meu lombo cansado ansioso por um abraço da cama velha e do roto lençol.

Sou mesmo mato sem capina, solo estriado, terra sem adubo, panela de pouca comida, que segue a escassez de tudo, principalmente do aprender.

Não me ensinaram o caminho da escola.

Logo me perguntaram você quer se letrar pra quê? Desperdiçar as horas em leitura e se afastar da labuta pra escrever?

Ora, aprenda com a chuva e com o vento, pastoreie, pois, seu pensamento e o mantenha no devido lugar. Você é erva do campo e assim é tanto fez, tanto faz.

Não ouse, não pense, não tente achar que de alguma coisa é capaz.

Aconselho a roçar sua vontade , a tanger sua intenção. Seu destino não pede felicidade, muito menos algum grau de instrução.

E, então, sem saber das letras ou das artes, permaneci inculto grão, todavia eu nem importo, confesso,pois descobri que mais vale ceifar a maldade e a arrogância a do ódio manter distância.

Foi o que aprendi no cultivo do coração, na colheita da vida, fazendo a humana semeadura. Ainda que o mundo esteja pelo avesso e que roubem o que eu mereço, não me troco pelo distinto doutor, que cospe escárnio pra desfazer e zombar de nós.

Ah! Tudo chega ao mesmo fim. Somos água de um único rio que desemboca numa mesma foz”.

Anne Mahin, do livro Peças Literárias III, Editora Matarazzo

Prece pela tolerância

Resultado de imagem para prece

“Não é mais aos homens que me dirijo, é a Ti, Deus de todos os seres, de todos os mundos e de todos os tempos. Se é permitido a frágeis criaturas perdidas na imensidão e imperceptíveis ao resto do Universo, ousar te pedir alguma coisa, a ti que tudo criaste, a ti cujos decretos são imutáveis e eternos, digna-te olhar com piedade os erros decorrentes de nossa natureza. Que esses erros não venham a ser nossas calamidades. Não nos destes um coração para nos odiarmos e mãos para nos matarmos.

Faz com que nos ajudemos mutuamente a suportar o fardo de uma vida difícil e passageira; que as pequenas diferenças entre as roupas que cobrem nossos corpos diminutos, entre nossas linguagens insuficientes, entre nossos costumes ridículos, entre nossas leis imperfeitas, entre nossas opiniões insensatas, entre nossas condições tão desproporcionadas a nossos olhos e tão iguais diante de Ti; que todas essas pequenas nuances que distinguem os átomos chamados homens não sejam sinais de ódio e perseguição; que os que ascendem velas em pleno meio-dia para te celebrar suportem os que se contentam com a luz do Teu sol; que os que cobrem suas vestes com linho branco para dizer que devemos te amar não detestem os que dizem a mesma coisa sob um manto de lã negra.

Que seja igual te adorar num jargão formado de uma antiga língua, ou num jargão mais novo; que aqueles cuja roupa é tingida de vermelho ou de violeta, que dominam sobre uma pequena porção de um montículo de lama deste mundo e que possuem alguns fragmentos arredondados de certo metal usufruam sem orgulho o que chamam de grandeza e riqueza, e que os outros não os invejem, pois sabes que não há nessas vaidades nem o que invejar, nem do que se orgulhar.

Que possam todos os homens lembrar-se de que são irmãos! Que abominem a tirania exercida sobre as almas, assim como execram o banditismo que toma pela força o fruto do trabalho e da indústria pacífica! Se os flagelos da guerra são inevitáveis, não nos odiemos, não nos dilaceremos uns aos outros em tempo de paz e empreguemos o instante de nossa existência para abençoar igualmente em mil línguas diversas, do Sião à Califórnia, tua bondade que nos deu esse instante.”

Voltaire

Para se pensar

Resultado de imagem para ~pensativa

Não deixes que termine o dia sem teres crescido um pouco,
sem teres sido feliz, sem teres aumentado os teus sonhos.
Não te deixes vencer pelo desalento.
Não permitas que alguém retire o direito de te expressares,
que é quase um dever. 
Não abandones as ânsias de fazer da tua vida algo extraordinário.
Não deixes de acreditar que as palavras e a poesia podem mudar o mundo.
Aconteça o que acontecer a nossa essência ficará intacta.
Somos seres cheios de paixão.
A vida é deserto e oásis.
Derruba-nos, ensina-nos, converte-nos em protagonistas de nossa própria história.
Ainda que o vento sopre contra, a poderosa obra continua:  tu podes tocar uma estrofe.
Não deixes nunca de sonhar, porque os sonhos tornam o homem livre.

(Walt Whitman)

Poemeto com a letra L

Imagem relacionada

Linda. Leve. Lhana.

Luxúria. Loucura. Lençóis.

Lesto. Liberal. Literal.

Livro. Leitura. Largueza.

Laura. Leda. Lívia.

Lucas. Leandro. Luiz.

Luto. Lamentável. Lágrimas.

Litigância. Litispendência. Legalismo.

Lugarejo. Leveza. Lembranças.

Liberdade. Livre. Longevidade.

(Adriana Araf)

 


Página 2 de 14512345...102030...Última »