“Diários de Adriana”, de Saramago

Ainda com Saramago, em “Diários de Adriana”, em Claraboia, minha reflexão sobre a personagem: “Adriana segue sonhando sua vida como algo sem fim, um sonho sem assunto da qual não quer acordar, um sonho todo feito de nuvens que passam silenciosas encobrindo um céu que ela esquecera por ter seus pés fincados demais na terra.
Ainda na terra ela está, com a graça de Deus, mas seus olhos, ah seus olhos, estão ardentes de tanta luz, vinda de cima. E o coração também.”
Gostei de Adriana, de Saramago. Nobel. Melhor reconhecimento não poderia existir. Fiquemos com a inspiração da literatura…

Lendo “Diários de Adriana”, de José Saramago, uma reflexão sobre uma das passagens “Ter não é possuir, pelo simples fato de que podemos ter até aquilo que não desejamos.

A posse recai apenas sobre o ter e o que impacta a alma humana é o possuir, o usufruir, a vontade perfeita.

O resto não passa de veleidades”.

O dia de hoje vai ecoar por toda a eternidade. Isso independe de sua vontade.

Agora, sua melodia vai depender de suas atitudes e, com o raiar do sol, a partitura da vida é colocada em suas mãos.

(Adriana Araf)

 

Pessoas chegam, pessoas vão embora.

Há uma rotatividade grande em toda a nossa existência.

Então, prestigia com amor quem permanece.

E mais ainda quem nunca partiu, mesmo indo embora…

(Adriana Araf)

 

Se quiseres dizer muito, fale pouco. Se quiseres dizer mais, fale menos. Se quiseres falar mais ainda, fique em silêncio, que você transmitirá tudo o que pretendia. O supérfluo verbal centra-se naquilo que foi dito e que não precisava.
As coisas mais importantes não se expressam por palavras, não precisam de defesa e nem de acusações verbais.
Elas vão ser sentidas intensamente no amor que as deu origem.
Feliz Rosh Hashaná para você que, no melhor de sua quietude e equilibrio, tem um ano inteiro te esperando para ser apreciado em doces expressões.
(Adriana Araf)

Página 140 de 146« Primeira...102030...138139140141142...Última »