Durante os meus tempos áridos de provação no Hospital, pedi  tanto por saúde que o som da minha voz chegou aos céus. Hoje, passando os dias, ainda escuto o eco leve do retorno. Tenho melhorado por fora, a cada dia. Tenho melhorado por dentro a cada dia.
A doença nos depura e nos sensibiliza, pois há algo maior sobre nós nesses momentos de isolamento obrigatório do mundo. Peça  serenamente por suas necessidades. Você será ouvido indepentemente da força do seu grito, contudo, vai depender absolutamente da força da sua fé. Clame sem desespero, como um filho que se socorre no colo de seus pais. Você será ouvido.  Eu sei. Eu fui. Eu sou.  E a experiência de ser ouvido vai superar todas as demais.

Talvez não seja difícil tomar decisões. A maior dificuldade reside em anunciar que a decisão foi tomada e colocá-la em prática, ali, com reflexos em sua rotina, em sua vida, nas pessoas, hábitos e assumir as suas consequências sem culpa.

Decidir por uma coisa significa perder outra e ganhar uma outra.

Outros rumos, na verdade.

(Adriana Araf)

 

Muitas vezes eu ouvi: “Nossa, ela fala sozinha”. Ninguém, na verdade, fala sozinho. Conversamos carinhosamente com nossos bichos de estimação, com o eletrodoméstico que parou, com os defeitos do carro, com nosso visual, com os espelhos. Fazendo isso estamos conversando com a energia que nos rodeia e nos faz únicos. Conversar sozinho também significa conversar com Deus. Ouça bem uma coisa: O Universo tem ouvidos grandes. Preste atenção quando você fala sozinho. Preste atenção em suas manifestações. Emita falas cada vez mais positivas e cada vez mais amorosas. Seu diálogo com o que você pode enxergar, vai ser muito mais saudável. E com o que o você não pode, muito mais intenso. E você será atendido, queira ou não queira.

Ontem eu morri de rir de um tanto com as bobagens que escutei dos meus amigos.

Hoje me esqueci das bobagens, porém dos sorrisos não.

Moral da história: guarda na alma o que te faz bem.

(Adriana Araf)

Passado o tempo eclesiástico de algumas coisas, veio o tempo de externar meus agradecimentos. E minha fé naquilo que eu senti, vivi, olhei, enxerguei, me emocionei e despertei. Reuni, em pensamento, todas as pessoas que oraram por mim, de todas as religiões, igrejas, crenças, movimentos, templos, agremiações. De uma vez só, dentro de mim, houve a mais perfeita reunião. Messiânica, Testemunhas de Jeová, Católicos, Espíritas, Evangélicos, Seicho-no-iê, Perfect Liberty, Metodista, Presbiteriana, Hare Krishnas, Mórmons, Batista, Luterana, Pajés, Ortodoxa. Em harmonia, agradeci e todos me falaram como foram e como são seus momentos de orações e meditações (cultos, missas, sessões, reuniões).

Diante de tanta gente caridosa e generosa, indaguei “Quem é católico, levante o braço”. Muitas e muitas pessoas. Agora, “Quem é Evangélico levante as mãos para cima”. Nossa. Mais de centenas. Pois bem, “Agora os membros da Messiânica”. Uma grande movimentação aconteceu. Idem ortodoxos, hrishnas, presbíteros. Depois eu disse, quem acredita Naquele que nos fortalece; na Força Superior; Naquele que nos ajuda a caminhar nosso caminho; no Justo; na Luz que Protege; Naquele que nos assegura que nada nos faltará; No Senhor dos Mares e dos Céus; Na Bondade Superior; No Pai Onipotente, Onipresente e Onisciente; na Acolhida Suprema? TODOS levantaram as mãos de uma vez. Que festa linda. Todos somos, no jardim universal, girassóis olhando para um único SOL. DEUS é um só. Absolutamente.

Página 135 de 147« Primeira...102030...133134135136137...140...Última »