Em paz

Resultado de imagem para ela em paz

“Daquele dia em diante, ela não mais se veria como uma mulher forte, capaz de suportar todas as adversidades. Estava cansada daquilo tudo e de forçar suas desgastadas energias. Ela apenas incorporaria em si e em suas atitudes o chamado “instinto de sobrevivência“, aquele princípio natural que todo ser vivo parece trazer em si e em sua conjuntura. Desde a raiz que busca água no mais profundo da terra, até os permanentes anticorpos que bloqueiam ações contrárias e ataques de todos os tipos. Ela, assim, estaria desarmada, mais leve,  mais em paz consigo mesmo. Deixaria palavras duras de lado, dores e medos, e adotaria o deixar passar como um processo da vida. Sairia caminhando por aí mais para se dar chances de renovação do que propriamente para aprender técnicas de defesa da crueldade do mundo. Não adotaria posturas alienadas, mas, de certa forma, evitaria rompantes e tentativas frustradas de conversões. Daria adeus àquelas auto-exigências. Atenderia mais a sua alma do que aos espíritos alheios. E remodelaria seus gostos e atitudes tomando como base os seus gostares e as suas alegrias. Deixaria de consultar os outros e a observar o que o seu coração dizia.”

(Adriana Araf)

Recomente essa página:
Esta entrada foi publicada em Atitudes e Transformações. Adicione o link permanente aos seus favoritos.