Delicadeza manual

“Tudo nela era interessante, delicado. Flor. Até a forma de virar as páginas do livro. Tinha expressão, personalidade, toque. Virava as folhas como se dançasse com as ideias. Com dedos altos e elegantes, vencia as páginas como uma espécie de vitória por etapas. Eis uma sutileza detectada por quem queria ser amado também por aquelas mãos. Se a paixão vem primeiro aos olhos, é pelo tato que ela se materializa.”

(Adriana Araf)

Recomente essa página:
Esta entrada foi publicada em Cenas Inesquecíveis. Adicione o link permanente aos seus favoritos.